segunda-feira, 7 de julho de 2008

Multidão


Sento –me em um banco qualquer, de um lugar qualquer, em meio a essa multidão na qual me encontro e percebo alguns que gritam suas identidades, alguns que se escondem e outros que pouco se mostram. Pessoas vão e vem acelerados ao passo do dia - a - dia, o sol cansado mostra seus tons vivos porem brandos pelo entardecer. O movimento aumenta e depois volta a abrandar. Adultos descansam e jovens farream, mas no fim do dia enquanto as estrelas nos observam, tanto os que gritam, os que calam quanto os que pouco dizem esperam a mesma coisa, pois todos estão a procura, a procura de serem encontrados.