segunda-feira, 7 de julho de 2008

Multidão


Sento –me em um banco qualquer, de um lugar qualquer, em meio a essa multidão na qual me encontro e percebo alguns que gritam suas identidades, alguns que se escondem e outros que pouco se mostram. Pessoas vão e vem acelerados ao passo do dia - a - dia, o sol cansado mostra seus tons vivos porem brandos pelo entardecer. O movimento aumenta e depois volta a abrandar. Adultos descansam e jovens farream, mas no fim do dia enquanto as estrelas nos observam, tanto os que gritam, os que calam quanto os que pouco dizem esperam a mesma coisa, pois todos estão a procura, a procura de serem encontrados.

9 comentários:

Suka disse...

Gostei muito do contexto mana. Continue por este caminho, vai descobrir que se tornará cada vez mais gostoso...
Beijos!

paula, paulinha, inha disse...

Gostei muito...
tbm costumo observar o dia a dia.. ver como cada um vive seu cotidiano, e ficar refletindo.. qualquer hora escrevo sobre isso... ;)
beijão

O empírico disse...

Uma boa metafora para a vida toda...

=*

fabiano Silmes disse...

É um perfeito ressumo para a vida e suas grandes tribulações!!

Bjs!!

Joyce disse...

Além de resumir a vida diária, mostrou o ponto de vista de uma pessoa que resolve sentar-se e observar o mundo a sua volta. O que é raro em um lugar onde as pessoas vivem em função das horas. E no final elas sempre bucam as mesmas coisas: "serem encontradas".

Renata Braga disse...

faço muito isso.... observar é um belo exercício para a vida.


Gostei daqui.

Abrass.

Edgard disse...

Muito legal. O curso de letras ainda te espera e obvio, eu tb!

Luana Toledo disse...

Gostei muito destas palavras...parabéns por sua inteligência!!!!

vigiliaonirica disse...

E nos desencontros que se acham...